Porque razão se fala tanto de UX?

De algum tempo para cá, é difícil dizer quando, que o termo user experience, vulgarmente conhecido pela sua sigla UX, se tornou bastante recorrente no quotidiano dos negócios. Naturalmente que o crescimento do “espaço” deste termo, tudo tem que ver com o aumento exponencial da importância do digital, enquanto área de trabalho das marcas.

O “senso comum” dos negócios do século XXI, reconhecerá com facilidade o digital, como uma área preponderante no contexto atual, onde alguns dos negócios do quotidiano devem construir o seu futuro. Por outro lado, esta vertigem digital, trouxe também consigo, alguns mitos e em alguns casos mesmo “manias”. “Tudo tem que ser digital”, “tudo tem que estar aqui ou ali”, “tudo tem que estar à distância de um clique”. São tudo expressões que nos habituamos ouvir e que tornaram recorrentes no dia-a-dia de quem pensa e implementa novos negócios.

O que não é o UX

Nesta mesma linha de pensamento a user experience (UX), aparece quase sempre, de uma forma ou de outra, relacionada com esta discussão da digitalização crescente dos negócios. Ao contrário de alguns mitos que se foram criando no mercado, que associam simplesmente a user experience ao design, conferindo-lhe uma conotação estritamente gráfica ou visual, a área de competência daquilo que representa efectivamente o UX vai muito para além disso.

A razão porque se fala tanto de UX nos dias de hoje, muito pouco tem que ver com a sua dimensão gráfica ou visual. Muito longe disso.

User experience e o negócio

Pensar, desenhar e desenvolver a experiência digital de qualquer produto ou serviço tudo tem que ver com o negócio em si. É o “negócio”, seja ele de que dimensão for, um produto ou serviço, privado ou público, premium ou free, a grande inspiração para a criação da experiência digital, o grande campo de ação do UX.

A própria definição de “negócio” por si é um tema bastante complexo. Mas, neste contexto, entende-se negócio como o propósito último de qualquer experiência, neste caso digital. É a definição do negócio que deve dar propósito ao trabalho do user experience.

É a ligação intima entre o negócio e a user experience a principal razão, porque se fala tanto de UX nos dias de hoje. Mesmo que isso muitas vezes seja pouco evidente para as próprias empresas.

Construção de novas experiências

A missão do UX nada tem que ver com a criação de experiências ou interfaces “mais bonitos”. Nos dias de hoje, o seu grande propósito está em digitalizar e quase sempre, reconstruir, todos os processos analógicos que sempre fizeram parte do funcionamento das empresas e dos seus negócios. Sejam processos de gestão internos ou de ligação dos consumidores com os produtos ou serviços. Todas estas relações têm hoje que ter uma abordagem diferente daquela que tinham no passado, muitas vezes através de canais digitais.

É precisamente aqui que reside o papel da user experience (UX). Um papel preponderante enquanto ferramenta para a conversão e reconstrução de todas estas experiências. Muitas desta experiências com décadas. Ao mesmo tempo que procura envolver os utilizadores neste processo, iterando e imaginando novas abordagens. Novas abordagens para uma era de novos consumidores, mas que nunca nos podemos esquecer que são sim, pessoas, com as suas necessidades, frustrações mas também emoções.

Fotografia © Ryoji Iwata